Indústria do cosmético deve controlar pH dos produtos

Indústria do cosmético deve controlar pH dos produtos

Atualmente, o Brasil é o terceiro mercado consumidor de produtos cosméticos do mundo. Se considerados apenas os itens relacionados a banho, cabelos, cuidados infantis e masculinos e de proteção solar, o país ocupa a segunda posição no ranking, ficando atrás apenas de Estados Unidos e Japão. O mercado nacional tem crescido em média 10% nos últimos anos e a taxa deve aumentar até 2020 de acordo com especialistas.

A forte demanda do público consumidor interno abre espaço para o empreendedorismo e a cada dia novas empresas do segmento surgem no mercado. Hoje, aproximadamente 98% delas são consideradas de pequeno ou médio porte. No entanto, independentemente do tamanho, todas as organizações devem tomar cuidados rígidos no processo de produção de seus produtos e estarem de acordo com o que orienta a legislação vigente.

A análise toxicológica dos ingredientes, os ensaios pré-clínicos e clínicos são ações que fazem parte do processo de produção dos cosméticos. Outro fator que deve ser levado em consideração é o valor do pH (potencial de hidrogênio). O valor do pH da pele geralmente varia entre 5 e 6,6 em razão de um manto ácido que a protege naturalmente. Por este motivo, os cosméticos devem ter o seu valor parecido com este para que não haja danos para o usuário. Produtos muito ácidos ou alcalinos podem causar irritações ou erupções cutâneas na pele.

Controlar o pH é essencial para a produção de produtos de qualidade que possam ser comercializados. Se necessário, ele pode ser ajustado no decorrer do processo de produção para chegar final com o valor adequado. Existem no mercado, medidores muito precisos que auxiliam as indústrias a terem o tal controle sobre o valor do potencial de hidrogênio de seus cosméticos.

Para ter um domínio mais completo sobre as informações relativas ao pH, é preciso possuir equipamentos específicos para cada tipo de produto. Por exemplo, aqueles que medem produtos com consistência líquida são diferentes dos usados em cosméticos com textura de pasta e assim por diante. É necessário que essas ferramentas sejam laváveis para atenderem aos requisitos do setor farmacêutico e da RDC (Resolução da Diretoria Colegiada) 48, que regulamenta as boas práticas no setor de cosméticos e perfumaria.