Excesso de CO2 no ambiente de trabalho

Clique aqui e veja como nossos produtos podem ajudar.

Quem trabalha em prédios mais modernos sabe como são aquelas longas reuniões em salas onde as janelas não abrem e os termostatos são regulados como se quer, para economizar energia. Chega uma hora em que dá um sono quase invencível.

Estes ambientes artificiais podem estar resolvendo alguns problemas, mas causando outros, como se descobre agora. De acordo com cientistas americanos do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, altos níveis de dióxido de carbono em escritórios e salas de aula afetam nossa concentração e nossa capacidade de tomar decisões.

Segundo pesquisa da State University of New York, em parceria com a University of California, e publicado pelo Daily Mail, em um ambiente externo a concentração de dióxido de carbono é de cerca de 380 ppm, enquanto em ambientes de trabalho ela chega a ser de 1000 ppm. Nas salas de aula o problema é ainda mais sério e as taxas de CO2 podem chegar a 3000 ppm.

A pesquisa que contou com a participação de 24 voluntários, que foram orientados a realizar algumas tarefas simples envolvendo concentração onde as pessoas deveriam realizar tarefas em três ambientes diferentes, sendo que um deles possuía uma concentração de CO2 de 600 partes por milhão (ppm), na segunda essa taxa era de 1000 ppm e, na terceira, atingia as 2500 ppm. Os resultados foram claros: nas salas com maior concentração de CO2 os voluntários tinham maior dificuldade para realizar as atividades propostas sem bocejar.

Esse é um problema bastante difícil de ser resolvido, uma vez que a principal fonte de dióxido de carbono é a respiração humana. Portanto, em lugares em que muitas pessoas convivem, é natural que haja uma grande concentração de CO2. Em geral, essa concentração pode chegar a ser de duas a oito vezes mais alta em ambientes fechados que em espaços abertos.

Para resolver a questão, é importante entender que a quantidade e a qualidade da ventilação estão diretamente relacionadas a esses números. Em ambientes bem arejados, com circulação de ar, a concentração de dióxido de carbono diminui e, com isso, a sensação de sonolência tende a diminuir. Acontece que, quando bocejamos, nosso corpo está tentando reequilibrar a relação entre oxigênio e CO2 no sangue. Portanto, janelas abertas ou um condicionador de ar com filtros limpos podem ser a solução.

Portanto, ficar atento as concentrações limite de CO2 em ambientes fechados é de extrema importância, pois o CO2 é um inimigo silencioso e imperceptível.